A Era Geológica e as Transformações da Terra ao Longo do Tempo

Tempo de leitura: 25 minutos

Desde a origem da Terra, sua idade é estimada em torno de 4,5 bilhões de anos, a mesma do sistema solar. Um longo intervalo chamado de tempo geológico, que foi dividido pelos cientistas em intervalos menores para facilitar o estudo e entendimento da evolução na Terra, chamados de unidades cronoestratigráficas: éon, era geológica, período, época e idade.

Em geologia Éon é a maior subdivisão de tempo na escala de tempo geológico. Menor apenas que um supereon, sendo que o único supereon existente é o Pré-Cambriano, também chamado de Pré-Câmbrico. Na escala de tempo geológico uma era é a divisão de um éon, que por sua vez podem ser subdivididas em períodos. São caracterizadas pela forma na qual os continentes e os oceanos se distribuíam e pelos seres viventes que se encontravam neles.

O período é uma divisão da era que por sua vez pode ser dividido em épocas. Apenas as eras dos éons arqueano e hadeano não se dividem em períodos. A época é um intervalo menor dentro de um período. A idade é a menor divisão do tempo geológico. Tem duração máxima de seis milhões de anos, podendo durar menos de um milhão. Apenas as épocas mais recentes são divididas em idades.

Éon Hadeano

Éon Arqueano, Arcaico ou Arqueozoica

Éon Proterozóico: Vida Primitiva

Éon Fanerozoico

Éon Hadeano

 

Éon-hadeano-era-geológica
By Tim Bertelink - Own work, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=48916334

O Pré-Cambriano é a mais antiga e longa das eras geológicas correspondendo a 80% da história geológica da Terra. Iniciou com a formação da Terra há aproximadamente 4,5 bilhões de anos e encerrou há 570 milhões de anos.

Atualmente o termo Pré-Cambriano está em desuso, embora ainda conste no quadro estratigráfico internacional da comissão internacional sobre estratigrafia da união internacional de ciências geológicas. O nome abrange o conjunto de éons anteriores ao Fanerozóico: o Proterozóico, o Arqueano e o Hadeano. Já recebeu nomes como Azoico (“sem vida”) e Criptozóico (“vida oculta”), atualmente em desuso.

O éon hadeano é na escala de tempo geológico o mais antigo. Iniciou a cerca de 4,5 bilhões de anos com o principio do processo de formação dos planetas do sistema solar e terminou na Terra, há aproximadamente 3,85 bilhões de anos ao surgirem às primeiras rochas. O nome Hadeano deriva do grego hades que significa inferno o que se deve ao fato de que no principio da formação do planeta, a Terra era uma massa incandescente com rios de lava, vulcões em erupção e grande quantidade de enxofre. Naquela época a atmosfera era composta por nitrogênio, amônia, hidrogênio, monóxido de carbono, metano e vapor de água, expelidos pelos vulcões.

Este é um período do qual se tem pouca ou nenhuma informação geológica. Não é reconhecido pela comissão internacional sobre estratigrafia da união internacional de ciências geológicas no seu quadro estratigráfico internacional por não haver rochas tão antigas, embora seja um conceito amplamente aceito por outras fontes.

Éon Arqueano, Arcaico ou Arqueozoica

Estromatólitos-na-Austrália-para-Era-Geológica
Por Ruth Ellison - http://www.flickr.com/photos/laruth/153584043/, CC BY 2.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1073339

O éon arqueano corresponde a um período entre 3,85 bilhões de anos e 2,5 bilhões de anos atrás aproximadamente. No começo deste período a Terra era até três vezes mais quente do que é hoje. Este éon é caracterizado pela formação da crosta terrestre, nele surgiram os escudos cristalinos e as rochas magmáticas nos quais se encontram as mais antigas formações de relevo. Nenhuma das eras geológicas deste éon se divide em períodos. Este éon está dividido nas eras eoarqueana, paleoarqueana, mesoarqueana, neoarqueana.

Era Eoarqueana

A era geológica eoarqueana é a mais antiga era do éon arqueano, caracterizada pelo inicio das primeiras formas de vida unicelulares. Ocorreu entre 3 bilhões e 850 milhões de anos e 3 bilhões e 600 milhões de anos aproximadamente. Grande parte da Terra estava coberta com água, vulcões e ilhas vulcânicas surgiram por toda parte. Os oceanos eram verdes e ácidos devido aos compostos de ferro dissolvido. O céu era laranja devido à alta concentração de amônia, metano e dióxido de carbono.

Era Paleoarqueana

A era geológica paleoarqueana está compreendida entre 3 bilhões e 600 milhões de anos e 3 bilhões e 200 milhões de anos atrás aproximadamente. Nesta era surgiram os primeiros continentes, provavelmente devido a colisões entre arcos de ilhas que se amalgamaram formando pequenas massas continentais. Na era Paleoarqueana surgiram às primeiras bactérias produtoras de oxigênio.

Era Mesoarqueana

Esta era geológica durou entre 3 bilhões e 200 milhões de anos e 2 bilhões e 800 milhões de anos atrás. No final desta era começou a se formar o supercontinente Vaalbara. Na Austrália foram encontrados fósseis indicando que os estromatólitos proliferaram na Terra nessa era.

Era Neoarqueana

Neoarqueana é a última era geológica do éon arqueano compreendida entre 2 bilhões e 800 milhões de anos e 2 bilhões e 500 milhões de anos atrás aproximadamente. Há cerca de 2,6 bilhões de anos a atividade das placas tectônicas pode ter sido semelhante a da Terra moderna. A fotossíntese oxigênica começou a evoluir nesta era e foi responsável pela grande proliferação de estromatólitos nos litorais do mundo iniciada durante o mesoarqueano.

Éon Proterozóico: Vida Primitiva

Continentes-no-Final-do-Neoproterozoico-para-Era-Geológica
Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1428657

Este éon está compreendido entre 2, bilhões 500 milhões e 542 milhões de anos atrás, é o mais longo de todos os éons, abrangendo quase metade do tempo de existência da Terra. Tem um registro geológico bem melhor que o do Arqueano. A camada de ozônio começou a se formar há cerca de 2 bilhões de anos atrás criando uma camada protetora conta os raios solares o que favoreceu o surgimento de formas de vida mais complexas.

Apesar da longevidade deste éon a vida continuou praticamente inalterada durante esse período, sendo que apenas no final dele houve uma mudança significativa nos seres vivos dando origem as primeiras criaturas multicelulares. Nesta época ocorreu a extinção da maior parte das bactérias anaeróbias do período anterior devido à grande quantidade de oxigênio liberado pelo metabolismo das próprias bactérias.

Era Geológica Paleoproterozóica

A era paleoproterozóica ocorreu entre 2 bilhões e 500 milhões e 1 bilhão e 600 milhões de anos atrás aproximadamente. As plataformas continentais que se estabeleceram durante esta era geológica são caracterizadas por uma evolução relativamente curta. Os eucariontes coroados a partir do qual todas as linhagens eucarióticas atuais surgiram são datados desta era. Esta era foi dividida em quatro períodos Sideriano, Riaciano, Orosiriano e Stateriano.

Período Sideriano

Este período está compreendido em cerca de 2 bilhões e 500 milhões e 2 bilhões e 300 milhões de anos. A abundância das formações de ferro bandado atingiu seu auge no inicio deste período. Elas eram formadas quando algas anaeróbicas produziam oxigênio a mais que combinado com o ferro formava magnetite, processo responsável por uma alteração na água do mar.

Período Riaciano

Este período se estende de 2 bilhões e 300 milhões a 2 bilhões e 50 milhões de anos. Nele tem inicio uma série de colisões entre as placas tectônicas, comprimindo as bacias sedimentares geradas no período anterior, num processo chamado de orogenia que praticamente se instalaram em todos os continentes. No inicio deste período, notou se uma quebra na deposição do ferro bandado, o que foi retomado no fim deste período.

Período Orosiriano

Na escala de tempo geológico o orosiriano é o período compreendido entre 2 bilhões e 50 milhões e 1 bilhão e 800 milhões de anos atrás aproximadamente. Atmosfera livre de oxigênio neste período. É caracterizado como um dos períodos mais significativos de formação de montanhas da história da Terra. A evolução das orogenias iniciadas no período anterior termina sua evolução e muitas outras têm inicio continuando um grande ciclo de colagem das placas. No final do período resultam em dois grandes continentes: Ártica e Atlântica. A deposição de ferro bandado cessou há cerca de 1 bilhão e 850 milhões de anos.

Período Stateriano

O período mais recente da era paleoproterozóica estendeu-se entre 1 bilhão e 800 milhões e 1 bilhão e 600 milhões de anos atrás. Depois de dois períodos em que os continentes apenas aumentaram de tamanho no stateriano, iniciou-se uma fase de quebras, gerando outra vez vários blocos continentais menores.

Era Mesoproterozóica

Esta era geológica está compreendida entre 1 bolhão e 600 milhões de anos e 1 bilhão de anos atrás aproximadamente. Nesta era se formou o super continente Rodínia e surgiu a reprodução animal sexuada. Os períodos desta era geológica não se dividem em épocas.

Período Calimiano

Este período se estende de 1 bilhão e 600 milhões a 1 bilhão e 400 milhões de anos atrás, caracterizado como um período de calmaria tectônica. Período em que se desenvolveram grandes bacias sedimentares sobre os terrenos que já estavam estabilizados.

Período Ectasiano

Estende-se de 1 bilhão e 400 milhões a 1 bilhão e 200 milhões de anos. Ainda predominam as condições extensionais. A principal característica desse período é uma quebra no registro sedimentar, sendo que começam a se depositar sequências diferentes das que já estavam depositadas.

Período Steniano

O período steniano está compreendido entre 1 bilhão e 200 milhões de anos 1 bilhão de anos atrás. Caracterizado por uma profusão de orogenias em todos os continentes que resultaram na aglutinação e consolidação do supercontinente Rodínia. No final deste período os ancestrais comuns entre os ciliados e os flagelados provavelmente se divergiram. Fósseis dos grupos Francevilianos e Grypania estavam entre os primeiros eucariontes a aparecerem nesta época.

Era Geológica Neoproterozóica

A era neoproterozóica esta compreendida entre 1 bilhão de anos e 542 milhões de anos atrás aproximadamente. Durante este período ocorreu à formação do supercontinente Gondwana, por convergência, colisão e fusão de fragmentos de Rodínia. Muitas das rochas geradas neste período são coberturas plataformais que adentraram pela era paleozoica quase sem interrupção. Nesta era geológica ocorreram as primeiras evidências diretas de vida multicelular.

Período Toniano

Este período está compreendido entre 1 bilhão e 850 milhões de anos atrás aproximadamente. Caracterizado por uma ampla deposição de sequências sedimentares sobre ou bordejando as áreas recém estabilizadas. Ocorre a quebra e desarticulação do supercontinente Rodínia estabelecido no final do mesoproterozóico.

Período Criogeniano

O nome dado a este período Criogeniano vem do grego crion que significa frio, devido aos vários episódios de glaciação que ocorreram em praticamente todos os continentes. Está compreendido entre 850 milhões e 630 milhões de anos atrás. Neste período o planeta pode ter sido coberto quase que inteiramente por neve, pelo menos duas vezes entre, 550 e 800 milhões de anos atrás em um episódio conhecido como Terra bola de neve. O que pode ter extinguido até 90% das espécies vivas, mas exerceu ao mesmo tempo uma pressão evolutiva positiva.

Período Ediacarano ou Vendiano

Compreendido entre 630 milhões e 542 milhões de anos atrás. Os oceanos eram habitados por um grupo de animais bem diferente daquele que conhecemos, formando o que se convencionou chamar de biota de Ediacara.

Éon Fanerozoico

Na escala de tempo geológico o Fanerozóico é o éon geológico que abrange os últimos 542 milhões de anos. Neste éon houve um rápido aparecimento de numerosos filos animais que evoluíram para formas diversas. Apareceram as plantas terrestres e o desenvolvimento de plantas complexas. Os peixes evoluíram dando origem aos animais terrestres e as faunas modernas se desenvolveram. Os continentes derivaram, eventualmente colidindo para a forma Pangeia, sendo divididas em seguida nas massas continentais atuais.

Era Paleozoica: vida antiga

Trilobite- para-Era Geológica
Por Heinrich Harder (1858-1935) - The Wonderful Paleo Art of Heinrich Harder, Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2425858

A era geológica paleozoica esta compreendida entre 542 e 251 milhões de anos atrás aproximadamente. Durante esta era havia seis massas continentais. Ocorreram dois dos eventos mais importantes na história da vida no planeta. No começo, houve uma grande diversificação evolutiva dos animais hoje conhecido como explosão cambriana em que quase todos os filos atuais e vários outros já extintos apareceram nos primeiros milhões de anos. O outro foi no final do paleozoico ocorreu uma extinção maciça a maior da história da vida na Terra extinguindo aproximadamente 90% de todas as espécies animais marinhas. O que causou ambos os eventos ainda não está bem conhecido.

Muitas rochas paleozoicas são economicamente importantes. Por exemplo, rochas calcárias para finalidades industriais de construção civil e também os depósitos de carvão formados durante o paleozoico. No final desta era geológica, começam a surgir diversas espécies de repteis que deram origem aos dinossauros.

Período Cambriano ou Câmbrico

O período cambriano esta compreendido entre 542 milhões e 488 milhões de anos atrás. Este período é dividido nas épocas Cambriana Inferior, cambriana Média e Cambriana Superior da mais antiga para a mais recente. Os climas do mundo eram suaves e não houve glaciação. Os vegetais eram representados apenas por algas marinhas e a terra ainda não tinha cobertura vegetal. Existiam quatro continentes neste período, três pequenos mais ou menos na região entre os trópicos: Laurentia, Báltica e Sibéria; e um supercontinente no sul: Gondwana.

Período Ordoviciano

O Ordoviciano iniciou há 488 milhões de anos e terminou há 443 milhões de anos atrás. Este período é dividido nas épocas Ordoviciana Inferior, Ordoviciana Média e Ordoviciana Superior. Neste período os terremotos eram frequentes. Havia um grande oceano o Pantalassa. O clima mostrava temperaturas médias e atmosfera muito úmida. No final formaram-se grandes geleiras, o que pode ter causado as extinções maciças que caracterizam esta fase. Extinguiram-se cerca de 60% de todos os gêneros e cerca de 25% dos invertebrados marinhos de todas as famílias. O norte dos trópicos era quase inteiramente oceano e a maior parte terrestre do mundo foi confinada ao sul, o supercontinente Gondwana. A evolução dos protocordados desenvolveu os primeiros peixes sem mandíbulas.

Período Siluriano

Iniciou há 443 milhões de anos e terminou há 416 milhões de anos atrás. O siluriano é usualmente dividido nas épocas Llandovery, Wenlock, Ludlow e Pridoli da mais antiga a mais recente. Marcado pelo derretimento das calotas polares e elevação no nível dos mares. A fauna teve que se recuperar da extinção em massa do final do Ordoviciano, porém ela manteve a predominância de invertebrados embora os peixes já estivessem se diversificando bastante. Neste período surgiram as primeiras plantas terrestres.

Período Devoniano

O Devoniano começou há cerca de 416 milhões de anos e terminou há cerca de 359 milhões de atrás aproximadamente. É o período dos peixes. Divide se nas épocas Devoniana Inferior, Devoniana Média e Devoniana Superior, da mais antiga para a mais recente. Período em que se formaram muitos depósitos de petróleo e gás natural que temos hoje. Neste período os continentes Laurentia e Báltica colidem formando o continente de Euramérica, reduzindo o número de continentes para três, os outros dois são Sibéria no Norte e Gondwana no Sul. Eles começam a se aproximar cada vez mais já indicando a futura união para formar Pangeia. Apareceram plantas de pequeno porte e os corais atingiram seu apogeu. Surgiram aos primeiros anfíbios. Peixes começaram a deixar a água, com transformação de nadadeiras em quatro patas. Entre o devoniano e o carbonífero extinguiram-se 70% das espécies.

Período Carbonífero

Começou há cerca de 359 milhões de anos e terminou há cerca de 299 milhões de anos aproximadamente. Divide se nas épocas Mississippiana e Pennsylvaniana, da mais antiga para a mais recente. O nome carbonífero vem das grandes quantidades de carvão mineral encontradas em formações rochosas da época na Inglaterra onde foram datadas pela primeira vez rochas deste período. Surgem os montes Apalaches e as grandes florestas. Os répteis adquirem a capacidade de se reproduzir em terra. Surgem os primeiros insetos alados e as plantas já portavam sementes. As massas de terra se uniram para formar o supercontinente Pangeia, único continente mundial até a era dos dinossauros. Também merece destaque a proliferação dos animais terrestres, com grande variedade de artrópodes e anfíbios, além disso, ocorre o surgimento dos primeiros répteis.

Período Permiano ou Pérmico

O último período da era Paleozoica começou a 299 milhões de anos e terminou há 251 milhões de anos atrás aproximadamente. Divide-se nas épocas Cisuraliana, Guadalupiana e Lopingiana, da mais antiga para a mais recente. Neste período os continentes uniram-se numa única massa o supercontinente, Pangeia cercado por um oceano global chamado Pantalassa. O clima na Terra começou a esquentar cada vez mais, e começaram a surgir grandes desertos no interior deste continente. O permiano presenciou a diversificação dos amniotas iniciais até os grupos ancestrais dos mamíferos, tartarugas, lepidossauros e arcossauros. Maior desenvolvimento e diversificação dos répteis. O final do período é marcado por uma extinção em massa nunca antes vista, onde 95% da vida na Terra desapareceu.

Era Geológica Mesozoica: vida intermediária

Placas-Tectônicas-para-Era-Geológica
Por Stampfli & Borel 2002 (as noted on the image) - This image comes from the Tethyan Plate Tectonic working group of the Institut de Mineralogie et Petrographie, Université de Lausanne. They give permission for "Documents on this site can be used inasmuch as reference is clearly made to the above-mentioned publication and/or this website" (Tethyan Plate Tectonic Home Page)., Copyrighted free use, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3336639

A era geológica mesozóica iniciou há 251 milhões de anos e terminou há 65 milhões de anos atrás. Divide-se nos períodos Triássico, Jurássico e Cretáceo do mais antigo para o mais recente. Esta era geológica é especialmente conhecida pelo aparecimento, domínio e desaparecimento dos dinossauros, belemnites e amonites. O clima no inicio do mesozoico era predominantemente seco, tornando-se mais úmido no jurássico. Os primeiros mamíferos se desenvolveram embora não fossem maiores do que ratos. As primeiras aves apareceram no jurássico. As primeiras flores angiospérmicas apareceram durante o período Cretáceo. Esta foi uma era dominada pelos répteis como os dinossauros, pterossauros e plesiossauros que conquistaram a Terra e desapareceram de modo repentino, provavelmente devido à queda de um enorme meteorito. Estimada como a segunda maior extinção em massa da Terra.

Período Triássico

O triássico é um período geológico que iniciou a cerca de 250 milhões de anos e terminou a 199 milhões de anos atrás. Divide-se nas épocas Triássica Inferior, Triássica Média e Triássica Superior, da mais antiga para a mais recente. A Terra se recuperava da maior extinção em massa ao fim do permiano. A vida precisou de algum tempo para se recuperar e a diversidade biológica é favorecida pelo calor que atingia até mesmo as regiões polares. O clima era bem mais quente a temperatura media do planeta era quase o dobro da atual.

Nas florestas prosperavam samambaias, ginkgos e coníferas. Nesse período os répteis dividiram-se em muitos grupos e ocuparam diversos habitats. Surgiram os primeiros dinossauros e os primeiros mamíferos ovíparos, surgem também os pterossauros primeiros répteis voadores, tartarugas, sapos e mamíferos. Nos oceanos invertebrados e corais evoluem para espécies novas. Aumenta a variedade de moluscos, surgem os primeiros tubarões e répteis marinhos. O período Triássico terminou com uma extinção em massa que afetou particularmente os oceanos onde 22% das famílias marinhas e cerca da metade dos gêneros marinhos desapareceram.

Período Jurássico

Este período começou há 199 milhões de anos e terminou há 145 milhões de anos atrás. Divide-se nas épocas Jurássica Inferior, Jurássica Média e Jurássica Superior da mais antiga para a mais recente. Com o aumento do nível dos oceanos, terras baixas foram encobertas pelo mar dividindo Pangeia originando a Laurásia ao Norte e o Gondwana ao Sul, que também se dividiu Originando a África e a América do Sul. A divisão permitiu que a umidade vinda do mar atingisse regiões que antes não atingia o que tornou o clima mais úmido fazendo com que as florestas proliferassem.

A diversidade de plantas se tornou muito maior que a do Triássico, predominando plantas como cicadáceas, ginkgos e coníferas gigantescas. Também surgem as primeiras plantas com flores. A fauna é marcada pela hegemonia dos répteis em todos os ambientes: dinossauros na terra, pterossauros no ar e plesiossauros no mar. Surgiram as primeiras aves e os primeiros mamíferos verdadeiros. Apareceram dinossauros mais evoluídos e inteligentes superiores aos primitivos répteis do Triássico.

Período Cretáceo

Na escala de tempo geológico o cretáceo é o período que está compreendido entre 145 milhões e 65 milhões de anos atrás aproximadamente. Divide-se nas épocas cretáceo inferior e cretáceo superior, na mais antiga para a mais recente. A época cretácea inferior divide-se nas idades Barriasiana, Valanginiana, Hauteriviana, Barremiana, Aptiana e Albiana. A época cretácea superior divide-se nas idades Cenomaniana, Turoniana, Coniaciana, Santoniana, Campaniana, Maastrichtiana, da mais antiga para a mais recente.

Nele os continentes começaram a adquirir a atual conformação. Durante o cretáceo os dinossauros atingiram seu apogeu na escala evolutiva, mais da metade das espécies conhecidas viveram neste período. No entanto, sofreram uma extinção em massa no final do período quando desapareceram também muitas outras espécies animais e vegetais. Dos répteis só restaram crocodilos, lagartos tartarugas e cobras.

Era Cenozoica: vida recente

Terra-no-Pleistoceno-para-Era-Geológica
CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2623176

O cenozoico é uma era geológica que se iniciou há 65 milhões de anos e se estende até a atualidade. O termo terciário foi usado para indicar o intervalo de tempo entre o mesozoico e o quaternário o que equivale ao Paleógeno e Neogeno. O uso do termo é desencorajado pela comissão internacional sobre estratigrafia e caiu oficialmente em desuso em 2004. O terciário era dividido em dois períodos o Paleógeno e o Neogeno e congregava as épocas Paleocena, Eocena, Oligocena, Miocena e Pliocena.

A principal classe a evoluir neste período foi a dos mamíferos. Tanto é que a era geológica cenozóica às vezes é chamada de “Era dos mamíferos” assim como a era mesozóica com relação aos dinossauros. Mas a diversidade biológica deste período e a rápida evolução das espécies tornam injusta tal denominação. Esta era geológica foi marcada pelo aparecimento de 28 ordens de mamíferos, 16 das quais ainda vivem. A fauna atual distingue-se da fauna do pleistoceno, principalmente pelo empobrecimento, advindo da extinção de varias formas. Datam do pleistoceno os mais antigos restos do homem cerca de 450.000 anos atrás.

A Terra assumiu sua formação atual. Houve muita atividade vulcânica e formaram-se os grandes maciços montanhosos do mundo, como os Andes, os Alpes e o Himalaia. Foi um período de resfriamento em longo prazo. No pleistoceno também chamado de época glacial ou idade do gelo ocorreu uma vasta glaciação no hemisfério Norte. Glaciação de proporções bem menores ocorreu também no hemisfério Sul.

Período Paleógeno

O período paleogeno inicia a 65 milhões de anos e termina há 23,3 milhões de anos. Divide-se nas épocas Paleoceno, Eoceno e Oligoceno da mais antiga para a mais recente. Na primeira época do período a terra se recuperou da catástrofe que atingiu os dinossauros. Os pequenos mamíferos proliferaram e as aves assumiram o topo da cadeia alimentar. Com o passar do tempo os mamíferos carnívoros se desenvolveram e as substituíram. No inicio do período o clima tropical se espalhava até as regiões polares; no entanto ao final dela, o clima começa a se esfriar, a vegetação próxima aos pólos começa a se tornar semelhante às de tundra e taiga iniciando o processo de congelamento dos pólos. Estas alterações causaram uma considerável extinção. O clima começa a se tornar mais semelhante ao atual.

Período Neogeno ou Neogênico

Iniciou há cerca de 23 milhões e 30 mil anos e se estendeu até 1.8 milhões de anos atrás. Divide-se nas épocas Miocena e Pliocena da mais antiga para a mais recente. Ocorreu a expansão dos mamíferos de grande porte e o aparecimento dos hominídeos. No mioceno o clima volta a esquentar e pastos e savanas se tornam os ambientes mais comuns. Há cerca de 9 milhões de anos atrás as Américas se unem através do Istmo do Panamá, permitindo um intercambio de fauna. A fauna e a flora mostram um grande parentesco com a atual, além disso, mais de 70% delas sobreviveram até nossos dias.

Período Quaternário

O quaternário é o período que congregava as épocas Pleistocena e Holocena. O período Quaternário sucede o Neogeno. Não integra mais o quadro estratigráfico internacional da comissão internacional sobre estratigrafia da união internacional de ciências geológicas. No pleistoceno a Terra já é muito semelhante à atual, mas passa por períodos de glaciação onde as calotas polares se estendem até as regiões próximas dos trópicos, períodos conhecidos como eras do gelo, intercalados por períodos mais quentes. A última dessas eras do gelo terminou há cerca de 12.000 anos atrás dando inicio ao Holoceno que é a época em que vivemos atualmente e extinguindo os animais que se adaptaram a viver com estas eras do gelo.

Referências para era geológica

Comments

comments