Fósseis: O Passado de Nosso Planeta Escrito nas Rochas

Tempo de leitura: 15 minutos

Você sabe o que são fósseis? Como eles se formam?

Eles já foram considerados ossos de criaturas místicas ou de gigantes. No entanto, foi necessário o trabalho de estudiosos de diferentes áreas cientificas como geologia e naturalismo; para que os fósseis tivessem sua verdadeira origem e natureza estabelecidas, o que só aconteceu no século XVll.

Apesar de muitas vezes oferecerem poucas informações sobre os organismos que os deixaram, os fósseis já revelaram muita coisa sobre o passado biológico da Terra. Quando se fala em fósseis a primeira coisa que vem a mente são os dinossauros, mas a fossilização já revelou uma grande diversidade de criaturas que vai desde seres unicelulares aos mamíferos.

Mas como surgiu a paleontologia ciência que estuda os fósseis?

A resposta para estas e outras perguntas é o que você descobrirá neste artigo. Portanto continue lendo, nele vamos falar sobre.

Dos Primeiros Registros à Origem da Paleontologia

O que São?

Como se Formam?

Qual Sua Importância?

Quais São os Tipos?

Dinossauros Encontrados no Brasil

Semelhantes aos Seus Ancestrais

Dos Primeiros Registros à Origem da Paleontologia

Fosseis

O termo Dinosauria foi proposto em 1842, pelo professor Richard Owen para classificar os grandes esqueletos de répteis extintos que haviam sido recém encontrados no Reino Unido. No entanto, os registros de sua existência já eram encontrados muito antes.

Os fósseis de dinossauros são conhecidos há milênios embora sua verdadeira natureza não fosse conhecida. Os chineses, consideravam-nos ossos de dragão e os documentavam como tal. Hua Yang Guo Zhi, um livro escrito por Chang Qu durante a dinastia Jin ocidental (265-316), relatou a descoberta de ossos de dragão em Wucheng, na província de Sichuan.

Aldeões na china central desenterraram há muito tempo ossos de dragão fossilizados para uso em medicamentos tradicionais uma pratica que continua até hoje. Na Europa, acreditava se que os fósseis de dinossauros eram os restos de gigantes e outras criaturas bíblicas.

Achados Recentes

Há mais de 1.700 anos, foram encontrados ossos fossilizados de dinossauros na China; como na época ninguém sabia do que se tratava, pensaram que se tratava de ossos de dragão. É o primeiro fóssil de dinossauro de que se tem notícia.

Já o primeiro dinossauro oficialmente descrito foi achado na Inglaterra, em 1.676. Como os dinossauros ainda não eram conhecidos os cientistas pensaram que aquele era o osso de algum gigante antediluviano.

Os geólogos Charles Lyel; criador da teoria uniformitarista de que a terra foi moldada por forças naturais agindo por um longo período de tempo e William Smith; que através de seus estudos desenvolveu um mapa geológico detalhado da Inglaterra, País de Gales e parte da Escócia; deixaram um importante legado para a compreensão do processo de fossilização.

Esses animais, assim como todos os demais seres vivos, existentes ou extintos, foram batizados de acordo com a nomenclatura binomial, promulgada por Carlos Lineu no século XVIII. Ela estabelecia que todos os animais deviam ser nomeados usando termos das línguas grega ou latina, como foi o caso do primeiro dinossauro catalogado o Magalossauro que vem do grego e significa lagarto grande.

No entanto, no decorrer dos anos, muitos dinossauros foram classificados com termos vindos de outros idiomas como Dilong que vem da língua chinesa, significando Dragão Imperador e também o Mapussauro que vem da língua indígena mapuche, significando lagarto da terra.

Os Fósseis e a Evolução

O naturalista Georges Cuvier formulou as leis da anatomia comparada que possibilitaram as reconstruções paleontológicas. Isso colocou os fósseis num sistema de classificação único em conjunto com os organismos vivos.

No final do século XVIII e inicio do XIX, colecionar fósseis estava na moda. Mary Anning se tornou uma das colecionadoras mais importantes pelo grande número de achados paleontológicos que fez. A ela é dado o crédito pela primeira descoberta de fóssil completo de ictiossauro, quando tinha apenas 12 anos, na Costa de Dorset. Seus achados também incluem esqueletos de plesiossauro, pterosauro e fósseis de belemnites.

Guerra dos Ossos

No século XIX, uma acirrada rivalidade entre Edward Drinker Cope e Othniel Charles Marsh deu origem à “guerra dos ossos”. Os dois paleontólogos usaram métodos desonestos como roubo, suborno e destruição de ossos para se destacar em sua disciplina. Usaram a própria riqueza e influência para financiar suas expedições, no final da “guerra dos ossos”, ambos estavam com seus recursos esgotados.

Embora tenham se arruinado economicamente, por seus esforços em desonrar um ao outro, suas contribuições para a ciência e para a paleontologia foram imensas. Marsh descreveu um total de 80 novas espécies de dinossauros e Cope 56.

Charles Darwin

Ainda no século XlX, a viagem de quase cinco anos que Charles Darwin fez a bordo do navio HMS Beagle e suas observações da natureza; levaram-no ao estudo da diversificação das espécies e a desenvolver a teoria da seleção natural. Em seu livro a origem das espécies ele introduziu a ideia de evolução a partir de um ancestral comum para explicar a diversidade de espécies na natureza. Era o inicio da teoria da evolução, que causou grande polêmicas, mas a maioria dos cientistas acabou concordando com ele.

O que São?

Fosséis

A palavra fóssil vem do latim e significa “ser desenterrado” ou “extraído da terra”. Os fósseis são restos ou vestígios arqueológicos de animais, plantas ou outros seres vivos, como algas, fungos, vírus e bactérias que existiram há milhares de anos. Estão naturalmente conservados em sedimentos minerais como a sílica e podem ser encontrados no solo ou subsolo, preservados nas rochas.

Para que sejam considerados fósseis os restos devem apresentar mais de 11 mil anos. A ciência que se dedica aos fósseis é a paleontologia e o profissional que os estuda é o paleontólogo. A paleontologia divide-se em outras áreas como paleobiologia, paleozoologia, paleobotânica entre outras.

Devido à dificuldade de preservação, os fósseis de um animal completo são raros, em alguns casos encontram-se apenas alguns ossos, dentes e folhas.

Mesmo conhecendo as características geológicas de um local não é possível dizer se há fósseis nele. Por outro lado alguns fatores podem indicar sua presença e estes fatores são seguidos pelos paleontólogos nas suas pesquisas. O principal fator é o tipo de rocha relacionada a preservação dos fósseis que são as sedimentares e a idade da rocha determinada através de análises químicas.

Como se Formam?

Fósseis

Apesar da grande quantidade de fósseis existentes a fossilização é um processo raro. Além da matéria orgânica dos seres vivos decomporem-se rapidamente, ainda há a possibilidade de animais carniceiros devorarem o animal morto ou então que ele seja degredado por organismos decompositores como bactérias e fungos.

Para que a fossilização seja possível é necessário que um organismo morra em condições que facilitem a sua conservação. Ela ocorre, quando ao morrer o corpo de um animal cai ou é levado para o leito de um rio, lago, leitos marinhos profundos ou pântanos. Estes são ambientes com pouco oxigênio e muita sedimentação que contribuem para que a fossilização ocorra.

Conforme o organismo vai se enterrando na lama, os minerais da água penetram nos ossos e os conservam. Ao longo de muitos anos os compostos minerais tomam o lugar das substâncias orgânicas sem que haja perda de suas características físicas.

Milhões de anos depois, a lama se transforma em rocha e o organismo torna-se um fóssil que devido à erosão ou outros fatores, volta à superfície. A formação dos fósseis depende intimamente das condições climáticas do planeta e morfológicas dos seres envolvidos.

Qual Sua Importância?

Fósseis

A importância dos fósseis está no fato de que eles ajudam à humanidade a descobrir quais as espécies de animais e vegetais que habitaram a Terra em tempos remotos. Os fósseis revelam aos paleontólogos as transformações que aconteceram nos seres vivos e no planeta há milhões de anos.

É uma ferramenta importante não apenas para paleontólogos, mas também para geólogos e biólogos. O estudo evolutivo dos fósseis ajuda os biólogos a entender como surgiu a grande quantidade de seres vivos; identificar o paleoambiente gerador das rochas sedimentares e também sua idade.

Entender como ocorreu à evolução e como os organismos se espalharam pelo mundo é útil para compreender o surgimento da vida e de novas espécies. Eles provam que existiram outros seres antes de nós.

Além disso, os fosseis também tem grande importância econômica. Os combustíveis fósseis como petróleo, gás natural e carvão mineral, movimentam a economia mundial há várias décadas.

Quais São os Tipos?

Fósseis

Existem dois tipos de fósseis, que podem ser somatofósseis, os mais conhecidos; são restos somáticos de organismos do passado ou fósseis corporais. Estes fósseis podem ser de ossos, dentes, pele, penas, carapaças, folhas, conchas e troncos. Os icnofósseis são apenas vestígios da atividade biológica dos animais que viveram no passado. São fósseis de pegadas, mordidas, pólen, tocas e excrementos também chamados de coprólitos.

Os fósseis são encontrados nas seguintes formas:

Mineralização

A matéria orgânica de um organismo soterrado é substituída por minerais presentes no meio ou trazidos pela água. Esse é um processo através do qual podem ser fossilizadas as partes mais duras como ossos, dentes e unhas de animais ou ramos e troncos dos vegetais.

Moldagem

Os restos soterrados do ser vivo deixam sua forma gravada na roxa e depois são completamente degradadas, até mesmo as partes mais duras desaparecem. Os dois principais tipos de moldagem são: externa; quando os sedimentos cobrem a superfície externa do organismo reproduzindo a sua forma. E interna; quando os sedimentos ocupam a cavidade interior do organismo reproduzindo sua forma.

Contramoldagem

Acontece quando a lacuna deixada no molde é preenchida por minerais, que ao se solidificarem constituem uma cópia, em rocha do organismo original. A contramoldagem depende obrigatoriamente do processo de moldagem.

Mumificação

Esse tipo de fossilização é mais raro, onde há a preservação de apenas uma parte ou de todo o organismo. Esta preservação ocorre normalmente em materiais como gelo, âmbar, resina fóssil. Preservando ilesas partes como órgãos pele e até mesmo a última refeição.

Impressão ou marcas fósseis

Este tipo de fossilização são preservados apenas os vestígios deixados pelo organismo. Estes vestígios podem ser: ovos, pegadas, rastos, tocas ou marcas. Deixadas por um ser vivo que passou por um terreno mole que se tornou rocha com o passar do tempo.

Dinossauros Encontrados no Brasil

Fósseis

Os cientistas acreditam que o Brasil abrigou grande quantidade de dinossauros. Os fósseis descoberto até o momento em terras brasileiras mostram que estão datados no final do período Triássico ou período Cretáceo.

É bem provável que durante o período jurássico; por alguma razão ainda não conhecida, esses animais seguiram para outras regiões da América, buscando melhores condições de sobrevivência. Possivelmente, espécies de dinossauros que viveram na argentina, mas ainda não foram encontradas no Brasil, viveram aqui também, devido à proximidade entre as duas regiões.

A formação geológica do Brasil desfavorece o achado de fosseis do jurássico, pois são raras as rochas deste período.

No Brasil foram encontradas 21 espécies de dinossauros, são eles:

Pampadromeus Berberenai; Saturnalia Tupiniquim; Guaiabasaurus Candelariensis; Staurikosaurus Pricei; Anaysaurus Talentinoi; Marischia Asymmetrica; Santanaraptor Placicus; Pycnonemosaurus Nevesi; Angaturama Limai; Irritator Challengerri; Brasilotitan Nemophagus; Trigonosaurus Pricei; Amazonsaurus Maranhensis; Oxalaia Quilombensis; Adamantisaurus Mezzalirai; Baurutitan Britoi; Tapuiasaurus Macedoi; Gondwanatitan Faustoi; Aeolosaurus Maximus; Uberabatitan Ribeiroi; Maxakalisaurus Topai.

O santanaraptor que viveu na região onde hoje é o Ceará; há cerca de 110 milhões de anos, pode ter integrado a linhagem que originou o Tiranossauro da América do Norte.

Semelhantes aos Seus Ancestrais

Fóssil vivo é uma expressão informal, uma designação atribuída a animais conhecidos através do registro fóssil de há vários milhões de anos e que, portanto, sobreviveram aos eventos de extinção em massa ocorridos na pré-história.

Esses animais são chamados fósseis vivos, são animais muito semelhantes aos seus ancestrais. No entanto, convém salientar que apesar das poucas ou nenhumas diferenças visíveis a nível molecular as coisas são bem diferentes e um fóssil vivo, é tão evoluído geneticamente como qualquer outro animal.

Conclusão

Devido aos fósseis a paleontologia foi capaz de descobrir um mundo que existiu antes do nosso, mas não foram apenas os dinossauros que fizeram parte deste mundo.

Acredita-se que a primeira forma de vida tenha surgido há 3 bilhões de anos. Eram criaturas unicelulares como bactérias e algas verdes. Vieram as medusas os braquiópodes e os vermes que habitaram os mares antes dos peixes.

Por volta de 410 milhões de anos surgiram às primeiras plantas que não tinham folhas e não passavam de 5 cm, onde viviam os insetos. Em seguida vieram os peixes que evoluíram para os anfíbios.

Há cerca de 310 milhões de anos, os répteis eram os mais numerosos, os cientistas acreditam que um grupo deles foram os ancestrais dos atuais mamíferos. O Dimetrodon pertencia a este grupo. Já os ancestrais dos dinossauros surgiram há 245 milhões de anos de uma espécie de réptil denominada euparkeria.

Os dinossauros viveram durante 160 milhões de anos, dividiram o mundo com mamíferos, pterossauros e gigantescos répteis marinhos até o momento de sua extinção por volta de 65 milhões de anos atrás.

Uma das prováveis causas para a extinção dos dinossauros é a queda de um meteorito que causou grande impacto, obscurecendo o sol com uma nuvem de poeira e gás durante anos. Também acredita-se que alguns dinossauros evoluíram para as aves que conhecemos hoje.

Referências

  1. Livro Dinossauros! Descubra os Gigantes do Mundo Pré-Histórico Volume 1 e 7.
  2. Filipe Bampi, Mundo Pré-Histórico, Qual Foi o Primeiro Dinossauro Descoberto? Disponível em: <https://mundopre-historico.blogspot.com.br/2013/12/o-primeiro-dinossauro-descoberto.html>.
  3. Filipe Bampi, Mundo Pré Histórico, Tudo Sobre Fósseis, disponível neste link.
  4. “Fósseis” em Só Biologia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2018. Consultado em 11/09/2018 às 23:37. Disponível na Internet neste link.
  5. Mayara Cardoso, Infoescola, Fossilização, disponível em: <https://www.infoescola.com/paleontologia/fossilizacao/>.
  6. Antonio Gasparetto Junior, Infoescola, Dinossauros do Brasil, disponível em: <https://www.infoescola.com/paleontologia/dinossauros-do-brasil/>.
  7. Teresa Monteiro, Slideshare, Tipos de Fossilização, disponível em: <https://pt.slideshare.net/teresacondeixa/moldagem>.
  8. Paula Campos, Trabalhos Gratuitos, Importância dos Fósseis, disponível neste link.
  9. <http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/planeta-ciencia/noticia/2014/09/conheca-os-21-dinossauros-descobertos-no-brasil-4598038.html>.
  10. Wikipédia, Richard Owen, disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Richard_Owen>.
  11. Wikipédia, Mary Anning, disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Mary_Anning>.
  12. Wikipédia, Charles Lyell, disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Charles_Lyell>.
  13. Wikipédia, William Smith, (geólogo), disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/William_Smith_(geólogo)>.
  14. Wikipédia, Georges Cuvier, disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Georges_Cuvier>.
  15. Wikipédia, Guerra dos Ossos, disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_dos_ossos>.
  16. Wikipédia, Paleontologia, disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Paleontologia>.
  17. Toda Matéria, O que são Fósseis, disponível neste link.
  18. Carlos Gandra, Fósseis Vivos: Quem São, as Espécies e as Fotos, disponível neste link