Conheça a Página Sobre o Escritor Fábio Haubert

Tempo de leitura: 8 minutos

Olá meu nome é Fábio Haubert, sou escritor. Nesta página vou falar um pouco sobre mim e como comecei a escrever. Mesmo que na adolescência escrever não estivesse em meus planos, na verdade, estudar também não.

Parei de estudar pouco antes de completar quatorze anos porque queria trabalhar em construção com meu pai. Comecei a escrever com dezenove anos, e inicialmente não tinha uma grande motivação literária. Até porque meu conhecimento sobre o idioma era limitado, além disso, havia outras coisas que eu não sabia.

Comecei a pegar livros na biblioteca municipal algum tempo depois e foi um dos períodos em que mais li. Nesta época percebi que a leitura realmente podia me ajudar a escrever e algum tempo depois comecei a comprar meus próprios livros.

Também tive vontade de voltar a estudar, mas não queria voltar para a escola regular. Mais tarde soube que era possível terminar o ensino fundamental por supletivo, o que fiz no final da década de 1990, 1996 talvez. Fiz o ensino médio fazer 2007.

Em 2012, concluí um curso técnico em administração. Também fiz alguns cursos de informática.

Por Que o Blog Foi Dividido Nestas Categorias?

Apesar de preferir livros sobre fantasia a série Cidade Dimensional é sobre ficção científica. Bem, apesar de trazer temas como máquina do tempo e teletransporte, frequentemente encontrado em histórias de ficção científica, também trás temas espirituais que o leva para o lado da fantasia ou mitologia.

Antes de qualquer coisa, é uma obra literária. Por este motivo acredito que literatura seja um tema importante para ser abordado aqui.

A literatura não despertou apenas a minha vontade de voltar a estudar, mas também fez com que eu quisesse saber mais sobre a ciência e tecnologia. Comecei a pesquisar sobre os temas de meus livros quando percebi que isso me ajudaria a criar algo melhor.

Você pode saber mais sobre este blog consultando as categorias abaixo:

Ciência, Tecnologia, Pré-História e Literatura.

Voltando Para os Livros

Escrevi várias estórias até 2001 quando queimei todas. De 2001 até 2010, escrevi o livro que ficou com o titulo final de A Fortaleza Subterrânea.

Durante este tempo muita coisa se perdeu, no entanto, nem tudo o que foi perdido, foi perdido porque era ruim, mas porque com as constantes mudanças que ocorreram ao longo destes anos algumas coisas não puderam mais ser aproveitadas.

A maior parte deste tempo foi dedicada a um único livro que passou por três etapas até ser concluído. Na primeira era apenas um livro contando a estória de um parque e na terceira era o inicio de uma transformação universal que só se concluirá na virada do próximo milênio.

Meus Primeiros Textos Sobre a Série

Cult Café sobre livros na universidad Feevale.

Comecei a escrever em 1997. Anos depois, queimei tudo o que tinha escrito decidido a parar de escrever, mas apesar de minha frustração naquele momento, voltei a escrever algum tempo depois.

Atualmente, eu penso em recontar algumas daquelas estórias, reutilizando uma coisa ou outra. No entanto, não sinto falta de nada do que tenha perdido, pois mesmo os livros que pretendo retomar, se transformaram em algo completamente diferente do que eram.

No começo, pensava apenas em criar uma sequência para alguns livros ou utilizar personagens de um livro em outro, como já acontece no cinema e na literatura. Inclusive nos cadernos que queimei já havia duas ou três sequências, embora nem todas estivessem concluídas.

Porém, problemas pessoais que já vinham desde a época em que queimei os cadernos, afetaram drasticamente o mundo imaginário e contribuíram bastante para formar este universo.

Enquanto que entre 1997 e 2001 escrevi em torno de dez estórias, entre 2001 e 2012 foi apenas uma e durante este tempo, eu não apenas mudei o título algumas vezes como o próprio livro. Foram quatro vezes que recomecei o livro praticamente do zero até que ele se aproximasse do que é atualmente e pudesse continuar fazendo apenas algumas alterações no material que já tinha.

A partir da segunda vez comecei a usar o Word. Acreditava que uma vez que o tivesse digitado, bastariam pequenas alterações para concluí-lo. Como estava começando a usar o computador, também tive a frustração de perder muita coisa que tinha escrito o que contribuiu um pouco para que elevasse o tempo até que o livro ficasse pronto.

Começou com um Alienígena

Feira Regional sobre Livros de Novo Hamburgo.

No primeiro livro, ainda escrito a mão num caderno, Juarez era um alienígena que reunia um grupo de pessoas com o objetivo de prejudicar o parque.

A estrutura subterrânea vem desta época, embora fosse bem diferente da atual. Juarez tinha um parque subterrâneo e pretendia destruir tanto o outro parque quanto a cidade ao lado dele para promover o seu parque que julgava mais seguro.

Durante uma tempestade duas pessoas invadem o prédio ligando um equipamento criado com o objetivo de coletar a eletricidade dos raios e armazená-la para que fosse usada como energia. Este equipamento ainda não estava concluído e continha algumas falhas, motivo pelo qual era mantido desligado. A sobrecarga de energia destrói o equipamento danificando a estrutura do prédio que desaba.

Nesta versão o criador da máquina do tempo morria na queda do prédio. Como existiam apenas os ônibus, a única forma de voltar ao presente estava naquele prédio. Todos os veículos que poderiam trazer os turistas de volta foram destruídos quando o prédio desabou. O único que sabia como construir a máquina do tempo, era seu criador.

Tem inicio uma busca pelo projeto da máquina do tempo. É feita uma procura por toda casa de Igor, então criador da máquina do tempo. Depois de muitas buscas é descoberta uma passagem secreta que leva ao projeto

Juarez controla a mente de um dos caçadores que acaba sendo perseguido e morto. Neste momento, eles percebem que não estão enfrentando uma pessoa comum. Alex outro alienígena do planeta de Juarez, percebe a origem do problema e começa a interferir. É claro que em meio a tudo isso, também havia problemas com os dinossauros.

Temas Confusos Presentes nos Livros Intermediários

Primeira feira sobre livro na Ginastica.

Quando comecei a digitar o livro nem mesmo voltei a ler o que tinha no caderno. Já pensava em fazer algo completamente diferente do que tinha. Nesta época houve a primeira grande transformação não apenas nos personagens como no próprio universo destes personagens.

Embora a estória continuasse girando em torno da cidade construída no final do cretáceo ao lado de um parque, quase todo o livro fazia parte de um sonho de Alex, do qual ele acordava no final. Este sonho criou um universo apocalíptico confuso que se modificava várias vezes.

Neste período, a cidade completava dez anos. Apesar de não comentar no livro, eu já imaginava um período de construção anterior ao desta data comemorativa. Porém o período de obras só começou a fazer parte do livro quando a empresa deixou de ser um parque para se tornar uma empresa turística.

O parque ocupava um único local, por isso, a cidade cresceu a sua volta. Com a empresa turística mais pontos ocupados na pré-história se tornaram necessários e assim e a cidade foi reduzida a estações.

Diferentes Estória num só Livro

ALVALES na feira sobre livro de Novo Hamburgo

Como o livro se passava num sonho, tinha mais liberdade para usar diferentes elementos. Havia um robô que perseguia Alex pelas ruas da cidade num capítulo e um esqueleto de escorpião que o perseguia pelo subterrâneo de sua casa em outro.

Depois que o livro deixou de contar apenas um sonho de Alex, não há mais como adaptar este episódio com o escorpião a nova narrativa, pois ainda há um fato com o qual não me preocupei no momento, de que escorpiões não têm esqueleto ósseo e sim um exoesqueleto.

Em outra ocasião houve passagens mais sombrias como uma guerra que destruía toda a cidade. Teve também a passagem de pequenas criaturas que se multiplicavam a partir de seus pedaços, toda vez que eram mortas.

Elas chegaram à cidade em pequenas quantidades provocando ódio nas pessoas que as matavam. Conforme iam sendo mortas se multiplicavam cada vez mais até se tornarem tão numerosos que a cidade desaparecia debaixo delas.

Devido às perdas o livro foi reescrito três vezes. Passou por alterações que o tornaram quase que um livro novo em cada uma dalas. Depois disso houve a segunda grande mudança que alterou toda a estrutura do livro. Nesta época ele já estava bem próximo do que é atualmente.

Leia o primeiro capítulo do livro A Fortaleza Subterrânea, A Máquina do Tempo.

Direitos Autorais

A Ilustradora Ingrid Oliveira.

Os textos deste blog foram criados por mim ou encomendados a G. Produções. Os temas das pesquisas têm sua origem devidamente mencionada nas Referências.

As imagens vêm de sites como freeimages, istock ou Google Images. Algumas ilustrações foram feitas pela desenhista Ingrid Raquel dos Santos Oliveira.

Você pode conhecer um pouco do trabalho da Ingrid acessando seu portfólio em:

http://in-oliveira.wixsite.com/portfoliodigital

Ou sua página no Linkedin:

https://br.linkedin.com/in/ingrid-oliveira-52a1a54a